Etiquetas

,

O episódio da utilização dos direitos especiais, que a Golden Share detida pelo Estado português lhe dá para interferir num negócio entre empresas privadas, veio demonstrar como apesar dos constrangimentos que a regulação supranacional exerce sobre os estados nacionais, a decisão política depende da vontade dos actores.

No caso do negócio Telefónica/PT/Vivo o governo português não tem dúvidas em fazer valer a sua vontade, mesmo com a condenação do Tribunal de Justiça da União Europeia. Já para justificar a forma como ataca despudoradamente os rendimentos do trabalho, empobrecendo cada vez mais os portugueses, o mesmo governo invoca a sua alegada incapacidade de se opor às decisões da União e dos tratados assinados.

Se dúvidas houvesse, fica claro que para mudar de políticas é preciso mudar os protagonistas que nos (des)governam desde 1976.

Anúncios