Etiquetas

A história pode contar-se em poucas palavras, mas contém um ensinamento que convém não ser posto de lado.

Na semana passada realizou-se em Madrid mais uma edição das Jornadas Mundiais da Juventude (JMJ), que tiveram como ponto alto a visita do Papa Bento XVI.

Exercendo um direito inalienável de cidadania, grupos de laicos  espanhóis organizaram manifestações de protesto contra a visita papal e as jornadas, não porque achassem que essas iniciativas eram ilegítimas, mas por discordarem da despesa que o evento acarretou para o erário público espanhol, sobretudo na altura em que os cidadãos são sobrecarregados com impostos e desemprego devido à famosa “crise”, que deixa os trabalhadores na miséria e os banqueiros e grandes accionistas das corporações internacionais cada vez mais ricos.

A monarquia católica espanhola decidiu então que competiria às suas “forças de segurança” controlar os protestos laicos e impedir que os manifestantes incomodassem os interesses da santa ICAR.

Até aqui tudo decorria sem grandes problemas, embora se possa considerar que a decisão de cercar o Sol com forças especiais anti-motim é, por si só, uma forma clara de condicionar o direito à indignação e à manifestação de cidadãos, que têm o direito a não seguir a igreja do estado.

Só que nestas coisas há sempre aqueles vassalos que se esquecem de que pertencem ao povo e desejam ficar bem na fotografia, para os senhores saberem como lhes são fiéis.

E um desses guardiães acéfalos dos poderosos excedeu-se, agredindo barbaramente uma jovem com uma estalada e algumas cacetadas, aproveitando ainda para malhar no jovem que tentava ajudá-la.

A cena também foi fotografada por um jornalista que a ela assistiu, e que foi a terceira vítima da acção da besta fardada e da inacção do resto da matilha, que a tudo assistiu tranquilamente, nalguns casos ajudando também à festa.

Felizmente para os direitos dos cidadãos, e para a defesa da democracia, tudo foi registado em vídeo e a existência do Youtube permitiu a rápida divulgação das práticas policiais.

O resultado foi a abertura de um inquérito e uma muito provável condenação de quem não é digno de pertencer a uma instituição que tem por missão garantir a segurança dos seus concidadãos, e não a de ser um instrumento de repressão ao serviço dos poderosos.

A lição que convém que estes polícias (e já agora pode servir para as forças de segurança cá do nosso burgo) é que na hora do aperto bem podem reclamar inocência e dizer que só cumpriam ordens. Nessa altura o director da polícia, o ministro, o 1º ministro, o rei ou o presidente e até o papa, todos eles vão sacudir a água do capote, vão esquecer que o agente estava na rua a seu mando e para lhes fazer o frete, e deixarão rolar mais uma cabeça de um plebeu.

A história completa da agressão pode ser lida no blogue de Daniel Nuevo, o fotógrafo espancado por estar a fazer (bem) o seu trabalho.

Anúncios