Etiquetas

, ,

A propósito da revisão do ECD e das alterações ao modelo de ADD, a equipa de Isabel Alçada tem afirmado repetidamente que nenhum professor será prejudicado, e que bastará ter avaliações de Bom para chegar ao topo da carreira.

É UMA ENORME MENTIRA (a menos que amanhã tenham outro acordo para assinar, em vez daquele que fizeram chegar aos sindicatos)

Tenho consciência de que a minha afirmação (de que a ministra está a mentir ao fazer aquelas declarações) precisa de ser provada.

É FÁCIL (basta apresentar o meu caso)

  • Estou no escalão a que corresponde o índice 340 desde 2005;
  • Em 2012 terei completado o tempo de serviço necessário para aceder ao índice 370 – 6 anos;
  • No entanto, de acordo com o n.º 40 alínea a) da proposta do ME, só o poderei fazer se tiver duas menções de Muito Bom ou Excelente;
  • Como desde esta data até ao momento em que completarei o tempo necessário só vai existir um ciclo avaliativo, em 2012 só poderei ter uma das “menções mágicas”, uma vez que não me candidatei a tal “sorte” no biénio que agora termina e também não fui “bafejado” pela sorte de ser avaliador (o que me daria direito a uma “quota especial”);
  • Daqui se conclui que, se eu decidir pedir observação de aulas no próximo ciclo avaliativo, se o meu avaliador (necessariamente menos experiente e com menores qualificações profissionais do que eu) achar que as minhas aulas são “o máximo” [esperando que em troca eu ache o mesmo das dele, já que sou o seu subcoordenador] e se, depois disto, a quota chegar até mim, em 2012 continuarei a não poder progredir ao índice 370 porque só terei uma das menções necessárias;
  • Logo serei prejudicado porque me opus ao complex e ao simplex, e a todas as restantes trapalhadas da ministra Maria de Lurdes Rodrigues;
  • Donde se conclui que a ministra mente duplamente:
  • 1. quando diz que nenhum professor será prejudicado e eu acabo demonstrar que sou um exemplo claro de prejuízo;
  • 2. quando tem a desfaçatez de afirmar que todos os professores com Bom podem chegar ao topo e depois exige pelo menos uma classificação de Muito Bom ou Excelente para se chegar ao índice 370.

Seria interessante saber quantos professores, actualmente no índice 340, foram avaliados com Muito Bom ou com Excelente no biénio 2007/09 e quantos destes completarão os 6 anos necessários para progredir em 2012. Porque esses serão os únicos que, se voltarem a ser Muito Bons ou Excelentes, progredirão efectivamente ao índice 370. Ficará então por saber em que circunstâncias é que obtiveram as menções através do simplex de má memória e da nossa vergonha… mas isso já são “outros quinhentos”