Já em posts anteriores fui tentando dar conta dos motivos que me levaram a fazer parte da lista B nas eleições para o SPGL, que vão ter lugar no próximo dia 19 de Maio.

Agora, que o dia da votação se aproxima e que as diferenças entre os actuais dirigentes e a lista que integro vão ficando mais e mais claras, torna-se imprescindível dar a conhecer mais alguns factos (com dados demonstráveis) que justificam, não só a justeza da opção que tomei, como a necessidade imperiosa de alterar as práticas sindicais, que levaram à perda de mais de 4 mil associados do SPGL, durante o último mandato.

O que aconteceu durante o último ano e meio, com o surgimento dos movimentos de professores e de muitos blogues que tomam posição, e dão opinião sobre as políticas educativas, a escola e a vida profissional dos professores, é reflexo de um progressivo afastamento que se verificou entre os dirigentes e as escolas.

E não terá sido por acaso que foi nas áreas de influência do SPGL e do SPN, que se verificou o aumento exponencial deste fenómeno, que acabou por se traduzir em maior afastamento da vida sindical.

Mas se do SPN pouco posso falar, porque não conheço detalhes da sua vida interna, já quanto ao SPGL tenho motivos de sobra para entender porque tanta gente se afastou.

De facto, uma direcção que nem consegue organizar um processo eleitoral de forma a permitir a participação alargada dos sócios, tendo dificuldades em abrir mesas de voto e diminuindo em percentagem significativa o número de assembleias eleitorais, por comparação com as eleições realizadas em 2006, só pode queixar-se de si própria e do distanciamento que criou entre si e os sócios.

Evitar o encerramento de mesas de voto, procurar aumentar a participação dos professores, encontrar as formas mais adequadas que permitam que a voz dos professores se faça ouvir, são alguns dos objectivos imediatos da lista B, que integro, e que me fizeram deixar o conforto de estar em casa, ouvir música tranquilamente, ir ao cinema, ou simplesmente ler.

Sem um sindicato próximo da escola e dos professores não haverá unidade.

Para que quem me lê possa perceber quais os motivos que me levam a combater alguns colegas no interior do sindicato, e como visam alcançar uma unidade maior e mais consistente com os colegas que estão na escola, deixo. o quadro com dados fornecidos pela direcção à comissão eleitoral:

Mesas Eleitorais 2006 2009 previstas Não asseguradas 2009 com supressão
Amadora Sintra 40 33
Lisboa Cidade 80 57
Loures Odivelas 29 28
Cascais Oeiras 24 19
VFX Azambuja 22 16
DIR. REG. LISBOA 195 153 60 93
Alenquer 6 6
Caldas da Rainha 19 15
Mafra 6 6
Torres Vedras 15 13
DIR. REG. OESTE 46 40 16 24
Abrantes 9 8
Santarém 16 16
Santarém Sul 9 3
Santarém Oeste 3 6
Tomar 12 10
Torres Novas 11 9
DIR. REG. SANTARÉM 60 52 28 24
Almada Seixal 47 37
Barreiro 38 29
Setúbal 25 18
Sul Setúbal 9 12
DIR. REG. SETÚBAL 119 96 13 83
TOTAIS 420 341 117 224