Etiquetas

,

Com data de 7 de Abril, foi publicada a portaria 365/2009, assinada pelo ministro das Finanças e pelo inefável SE Lemos.

Quanto aos procedimentos legais, e ao labirinto concursal, a que são submetidos os candidatos e os júris das escolas/agrupamentos TEIP não me vou pronunciar, pelo menos por enquanto, porque não me chega a paciência para desamaranhar tanta armadilha e disparate. Por isso, vou limitar-me a dar relevo a algumas pérolas de “magalhães legislativo”, em que o nosso SE é exímio.

«Considerando que os contextos sociais em que se situam as escola prioritárias apresentam risco de insucesso escolar, abandono e indisciplina…» não nos chegava o risco de insucesso, abandono e indisciplina dos alunos e agora temos que resolver o insucesso, abandono e indisciplina dos contextos sociais. Ainda há quem ache que os professores trabalham pouco…

Artigo 6.º

Abertura do concurso

2 — No aviso de abertura consta obrigatoriamente os seguintes elementos

Talvez seja melhor pedir ao Procurador Geral da República para reforçar as aulas de língua portuguesa para legisladores, a fim de evitar as faltas de concordância registadas.

Artigo 8.º

Apreciação das candidaturas

3 — Os candidatos que devam ser excluídos são notificados pelo júri, por via electrónica, na aplicação destinada aos procedimentos concursais para, no âmbito do exercício do direito de participação dos interessados e no prazo de três dias úteis, dizerem por escrito o que se lhes oferecer, usando para tal o mesmo meio electrónico.

Este é um exemplo de clareza legislativa. Parabéns ao seu autor pela simplicidade.