Tive o (des)prazer de receber resposta do senhor Professor Doutor ao email em que lhe enviei este texto.

Sobre a substância do mesmo, isto é, sobre o facto de conseguir fazer o pino para defender o quase-mercado educativo para que nos atira o governo que apoia com unhas e dentes, em nome dos princípios de igualdade, desenvolvimento e mobilidade social que são garantidos pela Escola de Massas, o senhor Professor Doutor respondeu-me nada.

No entanto foi lesto na classificação da minha boa-fé, pelo facto de ter colocado aspas no professor. De boa-fé pelos vistos só pode estar o senhor Professor Doutor, apesar de toda a gente perceber até que ponto foi capaz de carregar consigo o sectarismo que  caracterizou a sua acção política nas décadas de setenta, oitenta e parte de noventa do século passado, nesta sua transmigração para esta espécie de 3ª via encarnada pelo senhor Pinto de Sousa.

De tão cego e sectário que é, foi-lhe impossível entender que as aspas se destinavam a não o confundir com a plebe que se manifesta nas ruas, já que do alto da sua cátedra terá sempre direito ao tratamento deferencial com que me dirigi a ele no início da missiva.

Assim sendo, senhor Professor Doutor passe bem também o senhor!