Com uma inabilidade notável, a ministra MLR tentou ser pedagógica e tranquilizadora durante a sua entrevista com Judite de Sousa.

Por um lado procurou passar uma ideia de que os protestos dos professores lhe merecem a maior das simpatias, já que em relação a vários aspectos estes têm razão, apesar do “mas”.

Por outro lado deixou escorregar o pé para a chinela, ao afirmar com convicção que em relação às medidas de política educativa, nomeadamente em relação à avaliação dos docentes, estes não se informaram convenientemente. Para MLR tudo se resume ao facto de os professores (por quem diz ter o maior respeito) não lerem nem se informarem sobre os assuntos que lhes dizem respeito e serem tão ingénuos e distraídos que qualquer malfeitor os pode manipular.

Como ouvi com muita atenção a sra. ministra para poder ficar correctamente informado e deixar de ser manipulado, ontem de manhã quando cheguei à escola fui a correr seguir o seu conselho e perguntei ao meu conselho executivo e aos membros do meu conselho pedagógico como é que vai ser a avaliação lá na escola. Quando me responderam que estavam a fazer tudo de acordo com as indicações do ministério eu nem quis acreditar. Afinal quem não tinha ouvido a ministra eram eles e por isso não sabiam que tinham a “responsabilidade autonómica” de fazer tudo bem feito e tranquilamente, para que todos nós pudessemos progredir tranquilamente na carreira.