A Direcção Nacional da PSP garantiu hoje que a «recolha de dados» junto das escolas, a propósito da manifestação de professores de sábado em Lisboa, visava «somente» facilitar a circulação de pessoas e viaturas.

«Tendo em conta a realização da manifestação de professores e educadores a ter lugar em Lisboa, dia 08 de Março, e dada a necessidade de garantir a segurança das pessoas, o fluxo de trânsito, bem como garantir que o direito de manifestação decorresse de harmonia com o constitucionalmente estabelecido, foi solicitado a todos os Comandos da PSP para que obtivessem dados relacionados com o número estimado de pessoas a deslocar-se à cidade de Lisboa, o número de autocarros envolvidos no seu transporte e horários previstos de chegada», refere o comunicado da PSP.

Pela parte que me toca não vejo nesta atitude da PSP nenhum vestígio de perseguição ou intimidação aos professores. Os comandos da polícia, gente atenta e veneranda a todos os poderes que passam, limitaram-se a utilizar a lógica inaugurada por MLR e pelo governo de Sócrates: os Sindicatos não são representativos dos professores e sempre que há necessidade os contactos fazem-se directamente com as escolas, através dos seus conselhos executivos.

Ainda ontem a ministra pôde afirmar que sabe que todas escolas estão a trabalhar os documentos da avaliação, porque é essa a informação que tem directamente dos órgãos de gestão das escolas e do seu legítimo representante, o Conselho de Escolas.

Assim sendo, para que de futuro a polícia não tenha que se deslocar a muitas escolas, julgo que pode telefonar directamente para o dito Conselho de Escolas e recolher aí a informação pertinente.